União das Misericórdias Portuguesas concluiu «reconstrução e reabilitação» das habitações

A União das Misericórdias Portuguesas (UMP) informa que terminou a “reconstrução e reabilitação” de 48 habitações permanentes que foram afetadas pelos incêndios de junho de 2017 na região centro do país.

“Com uma intervenção complexa, todo o processo contemplou a reconstrução parcial de 27 habitações e total de 21 habitações”, informa a UMP em comunicado enviado hoje à Agência ECCLESIA.

Em simultâneo, para além da construção e reconstrução de habitações, a União das Misericórdias Portuguesas promoveu diversas ações, “como o apoio às explorações agrícolas locais e a aquisição de alfaias, animais e plantações”, nas regiões afetadas pelos incêndios de junho de 2017.

O comunicado contextualiza que “o valor consignado” à parceria da UMP com a Fundação Calouste Gulbenkian, em articulação com o Fundo Revita, para a reconstrução das habitações foi de 2 373 762,48 euros, acrescido de 45 312,30 das seguradoras.

Com um total de 25 habitações recuperadas, o Município de Pedrógão Grande foi o que teve o maior número num “investimento total de 1 140 112,58 euros”, seguindo-se o de Castanheira de Pêra, com 14 habitações, e Figueiró dos Vinhos com três habitações.

Segundo a UMP, nos Municípios de Pampilhosa da Serra, Sertã, Góis e Penela foram reconstruídas “seis habitações permanentes, com um investimento total de 365 426,51 euros”.

2017 é considerado o ano mais trágico em Portugal em relação a incêndios: a 17 de junho, um fogo florestal com origem em Pedrógão Grande (Distrito de Leiria, Diocese de Coimbra) alastrou a vários territórios vizinhos e aos distritos vizinhos de Castelo Branco e Coimbra, provocando 66 mortos e 254 feridos; o prejuízo material foi calculado em mais de 500 milhões de euros; o segundo grande incêndio aconteceu em outubro, nos distritos de Coimbra, Viseu, Aveiro e Guarda, com 49 mortos e perto de 70 feridos.

A UMP adianta que, “no seguimento da sua política de total transparência na gestão dos donativos angariados”, disponibiliza o Relatório Trimestral de Execução, “com dados até maio último”, que podem ser consultados na plataforma digital ‘Juntos por Todos’.

A União das Misericórdias Portuguesas foi criada em 1976 para “orientar, coordenar, dinamizar e representar” as Santas Casas de Misericórdia; Em todo o território existem 387, “algumas com mais de 500 anos de existência”, “apoiando diariamente mais de 165 mil pessoas” em áreas sociais estratégicas, como a educação, saúde, inclusão socioprofissional.

Agência Ecclesia

 

Comments are closed.

Scroll To Top