Seminário Moneris em Figueiró dos Vinhos

3_noticia_moneris

O grupo Moneris, que opera no mercado da contabilidade, consultoria e apoio à gestão, realizou no passado dia 30 de junho, na Casa da Juventude de Figueiró dos Vinhos, um seminário que marcou a inauguração do seu novo escritório de apoio nesta região.

“Apesar da nossa posição de liderança, o facto de termos mais de 20 escritórios em todo o país acaba por ser um garante do conhecimento que temos das realidades locais”, refere Rui Pedro Almeida. O CEO do grupo Moneris reforça ainda que a visão do grupo não é estritamente estrangulada pelas grandes geografias, pelas grandes cidades, pois estamos envolvidos com as comunidades ao nível regional e local.

Na abertura da sessão, o Presidente da Câmara Municipal de Figueiró dos Vinhos, Jorge Abreu, reforçou a importância destas iniciativas, por promoverem a informação e a dinamização do concelho, o que vem de encontro ao plano e acções estratégicas do município para o seu desenvolvimento, para a criação de emprego e para a fixação da população.

Jorge Rui Pinto, Diretor da Moneris Figueiró dos Vinhos reforçou esta mensagem, demonstrando uma enorme vontade de contribuir para o desenvolvimento da região através das sinergias que encontrou dentro do grupo Moneris, e que podem ajudar as empresas localmente a crescerem.

Apesar das reformas fiscais não terem nenhuma medida específica para o interior, Abílio Sousa refere que há ainda espaço para o retorno dos incentivos à interioridade.

O especialista em assuntos fiscais tem uma carreira de 30 anos na Autoridade Tributária, onde desempenhou funções de Chefe da Divisão de Liquidação do IRCA. Atualmente é consultor no grupo Moneris e ainda formador em diversas instituições, nomeadamente na OTOC, OROC, APOTEC e APECA.

Depois de ter passado pelos grandes vetores da recente reforma do IRS (2015), Abílio Sousa centrou a sua apresentação na reforma do IRC, levada a cabo em 2014. Aqui, apesar de ter sido revogado o regime de interioridade, foi deixada uma porta aberta pelo Artigo 10º da Lei n.º 2/2014, de 16 de janeiro, que diz que mediante os resultados alcançados, deverá ser estudada a viabilidade de introduzir um regime de benefício fiscal, atendendo à baixa densidade populacional, ao índice de compensação ou carência fiscal, e à desigualdade de oportunidades sociais, económicas e culturais.

O Consultor do grupo Moneris, que integra ainda o Comité Técnico Fiscal, percorreu também o regime forfetário dos produtores agrícolas, que se aplica no entanto apenas a empresas com um Volume de Negócios não superior a 10.000€ e ausência de contabilidade organizada.

Passando ainda pelo regime da fiscalidade verde, nomeadamente no que toca ao setor agrícola e silvícola, a presentação do fiscalista fechou com alguns dados estatísticos. Com base na análise das Declarações Modelo 22 de 2010 a 2012, o distrito de Leiria tem mais empresas do que Coimbra e Castelo Branco juntos, sendo que o universo do IRC cresceu sempre nos últimos anos, mesmo com o encerramento de muitas empresas. Destes dados, podemos ainda concluir que Leiria é um dos distritos com maior dinâmica económica, a par de Braga e Aveiro, e logo depois de Lisboa, que encerra em si 65% das empresas nacionais.

Dedicada aos Apoios e Incentivos no âmbito do Portugal 2020, a segunda parte do seminário foi-nos apresentada por Ana Paulino, Diretora da área de BPO/SSC do grupo Moneris, com 15 anos de experiência na elaboração de projetos de investimento e procurement de financiamento, e atualmente especializada no desenvolvimento de projetos de reestruturação financeira de negócios e em projetos de internacionalização.

Ana Paulino explicou que, ao contrário dos anteriores fundos, o Portugal 2020 é mais abrangente, com um enfoque nos objetivos e nos indicadores. É também notória uma aposta na simplificação da submissão de candidaturas, mas, paralelamente, surge o conceito de “estratégia de especialização inteligente”, que vai obrigar as empresas que se candidatam aos fundos a pensarem nos seus objetivos a médio e longo prazo e a delinearem cuidados planos de negócio e expansão.

Para a zona centro, foram definidos objetivos mobilizadores, sendo que a maior dotação está atribuída ao eixo da competitividade e internacionalização da economia regional (COMPETIR).

 

Comments are closed.

Scroll To Top