“O Poder da Imaginação – Juventude, Rebeldia e Resistência nos Anos 60”

O Poder da Imaginação – Juventude, Rebeldia e Resistência nos Anos 60 é o título de um livro de reflexão sobre a rebeldia da juventude estudantil universitária nos anos 60, editado pela Angelus Novus, em 2003, da autoria de Rui Bebiano, ilustríssimo “filho” de Castanheira de Pera.

Rui Manuel Bebiano do Nascimento, de seu nome completo, nasceu a 24 de Novembro de 1952, na vila de Castanheira de Pera. Aprendeu as primeiras letras na sua terra-natal, onde fez a instrução primária. Em Castanheira de Pera frequentou e concluiu o 1º e o 2º ciclo do ensino liceal no Externato de S. Domingos. O 3º ciclo do referido ensino viria a ser iniciado no Colégio Nun’Álvares em Tomar e concluído no Colégio de S. Pedro em Coimbra, com elevada classificação.

Cedo começa a interessar-se pelo campo das letras e, em 1969, com apenas 17 anos, inicia a colaboração em diversos jornais, designadamente no jornal diário “República” e no Suplemento Juvenil do jornal da sua terra-natal, “O Castanheirense”.

Em 1972 ingressa na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra para frequentar o curso de Direito e entra nas lutas estudantis. Por esta sua actividade “subversiva”, viria a ser detido duas vezes, em ambas sujeito a interrogatório por agentes da extinta PIDE-DGS. Como castigo viu serem-lhe interrompidos os estudos académicos e ser incorporado no Exército português, em Abril de 1973, para cumprir o SMO (Serviço Militar Obrigatório). Depois de prestar serviço em várias unidades do Exército no continente é mobilizado para uma comissão de serviço em Angola (antiga colónia portuguesa). Na capital deste território, Luanda, participou nas Forças Militares Mistas para a manutenção da ordem pública, durante o processo de descolonização, regressando a Portugal após a independência de Angola, em 11 em Novembro de 1975.

Só regressa à Universidade de Coimbra, em 1977, mas agora para frequentar o curso de História na Faculdade de Letras onde se vem a licenciar em História, em 1981, com a classificação de Bom e com distinção (dezasseis valores); tendo em conta a elevada classificação foi convidado para Assistente Estagiário, na referida Faculdade, passando, posteriormente, a desenvolver a sua actividade pedagógica e científica na área de História Moderna, integrado no Instituto de História e Teoria das Ideias. Anos mais tarde, em 1997, doutorou-se em História Moderna e Contemporânea, na Universidade de Coimbra, com a tese “A Pena de Marte. Discurso da guerra em Portugal e na Europa entre os séculos XVI e XVIII” pela qual obteve a classificação de Muito Bom, com Louvor e Distinção. Esta sua dissertação viria a ser distinguida com o Prémio de Defesa Nacional, atribuído pelo Ministério da Defesa Nacional. Neste mesmo ano passou a Professor Auxiliar do grupo de História da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

Rui Bebiano é historiador, professor de história contemporânea no Departamento de História, Arqueologia e Artes da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e investigador do Centro de Estudos Sociais. Actualmente dedica-se, como historiador, apenas à história contemporânea e à história actual. Trabalha em temas de história cultural e política desde os anos cinquenta à actualidade, em particular no campo das construções utópicas, das práticas de exclusão e silenciamento, e das representações contemporâneas do passado. Desta sua intensa investigação destacamos os seguintes trabalhos publicados: “Outubro”, um ensaio sobre o imaginário e o impacto simbólico da Revolução de 1917 (2009); “Tony Judt – historiador e intelectual público” (2017), uma obra sobre o trabalho do historiador britânico e a história dos intelectuais; e “Labirinto de Outubro. Cem Anos de Revolução e Dissidência” (2020), um extenso ensaio sobre a influência da Revolução Russa de 1917 na produção de conflitos e de alternativas dentro em um século de história do socialismo. Sobre a restante obra publicada pelo autor pode ser vista aqui: (https://www.cienciavitae.pt/pt/0C15-C69A-AB2B). É membro do conselho de redacção e/ou consultor de diversas publicações académicas e orientador de um grande número de teses de mestrado e de doutoramento. É, desde 17 de Junho de 2011, Director do Centro de Documentação 25 de Abril da Universidade de Coimbra.

Sobre este livro O Poder da Imaginação – Juventude, Rebeldia e Resistência nos Anos 60 o seu autor, Rui Bebiano, diz-nos que é um livro que nos “fala dos excessivos anos 60.” Podemos ler na sua introdução que este período “ foi um tempo decisivo para a definição identitária da juventude. Período da afirmação vitoriosa de uma fase da vida ainda recente no transcurso da história, ao qual correspondeu um conjunto de comportamentos constantemente ampliados ao longo dos últimos cinquenta anos: o gosto da exuberância, a aceitação do direito à diferença, a volúpia da aventura e do risco, a vivência de um quotidiano no qual o espaço para a fruição e o divertimento tende para a desmesura. Momento de valorização extremada da rebelião e da ruptura enquanto instantes criadores, denegando sem grandes contemplações uma sociedade herdada, concebida como um todo insuportavelmente harmónico, demasiado previsível e acima de tudo enfadonho.”

Quase a concluir o autor, Rui Bebiano, refere que O Poder da Imaginação – Juventude, Rebeldia e Resistência nos Anos 60 “é, finalmente, um trabalho prospectivo, que se pretende transmissor e programático. Tem como objectivo ir ao encontro de uma carência dramática de bibliografia, em português de Portugal, acerca dos anos 60 e das suas circunstâncias culturais, enunciando, através de uma leitura assumidamente panorâmica, alguns dos seus aspectos mais relevantes. A possível curiosidade das gerações mais novas, aquelas que da época apenas recolhem uma tradição oral insuficiente e facciosa, por vezes azedada, ou sinais disseminados, aos pedaços, por filmes com história, revistas mais ou menos revivalistas, citações crípticas de canções e textos ficcionados, reclama este esforço.”

O Poder da Imaginação – Juventude, Rebeldia e Resistência nos Anos 60 é, pois, um interessante estudo do Doutor Rui Bebiano sobre a rebeldia da juventude pelo mundo fora, na década de 60 do séc. XX, com particular destaque para a juventude universitária coimbrã e as suas lutas contra a ditadura do Estado Novo em Portugal. Sobre a extensa e notável obra publicada pelo Historiador Rui Bebiano, oriundo do espaço geográfico do Norte do Distrito de Leiria, divulgá-la-emos em futuros textos.

Uma palavra final de agradecimento ao autor pela disponibilidade e colaboração na elaboração do seu resumo biográfico. O nosso bem haja.

Descrição:
Título: O Poder da Imaginação – Juventude, Rebeldia e Resistência nos Anos 60

Autor: Rui Bebiano

Ano: 2003

Edição: 1ª

Editora: Angelus Novus

Páginas: 208

Dimensões: 24×16 cm

Élio Marques

Blog Terras da Ribeirinha – https://terrasdaribeirinha.wordpress.com/

Comments are closed.

Scroll To Top