Nova Exposição Naturalista em Figueiró dos Vinhos – Jorge Abreu (Presidente da CMFV): “Esta é uma vila e uma região vocacionada para a cultura”

12expo

O Museu e Centro de Artes de Figueiró dos Vinhos inaugurou, no dia 23, sábado, mais uma exposição naturalista. A mostra destaca a Arte Moderna de Silva Porto, Columbano, José Malhoa, Henrique Pinto e Maria Augusta Bordalo Pinheiro, pioneira do design industrial. Estes artistas integram o chamado “Grupo do Leão”, de cariz bucólico, onde também há espaço para os retratos e para as esculturas. A apresentação das obras ficou a cargo de Maria de Aires Silveira, curadora e conservadora no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, numa tarde que contou com a presença de representantes do município, historiadores e cerca de mais de uma dezena de visitantes. A exposição está patente até 31 de dezembro e a entrada é gratuita.

“Há uma ligação estreita entre o naturalismo e Figueiró dos Vinhos, nomeadamente graças ao trabalho desenvolvido por José Malhoa nesta terra”, pelo que faz sentido que o Museu e Centro de Artes de Figueiró dos Vinhos aposte na exibição das obras do “Grupo do Leão”, explicou Maria de Aires Silveira. A relação entre esta corrente artística e a vila tem origem no facto de Simões de Almeida (Tio), mestre de escultura na Academia de Belas-Artes, ter sugerido aos seus seguidores José Malhoa e Henrique Pinto que visitassem Figueiró dos Vinhos. A promessa foi que ali “não faltariam nem paisagem nem luz nem modelos”, continuou a curadora. O conjunto de artistas interessados pelo realismo seguido pelos holandeses já desde o século XVIII costumava encontrar-se na cervejaria lisboeta Leão d’Ouro. Acabaram por ficar conhecidos como “leões” e “leoas”, ao exibirem peças de arte moderna no espaço, que se transformou assim num museu. Estávamos no século XIX e a preocupação pela busca do realismo imperava.

Paula Mendes, responsável pelo turismo do município, afiançou que “o museu vai seguir esta linha de exposições naturalistas”. Mas aliada a esta continuidade, Maria de Aires Silveira revelou que está prevista, “mais para o final do ano, a apresentação de obras de artistas senhoras”, à semelhança do que acontece agora com os bordados de Maria Bordalo Pinheiro.

A exibição das rendas desta “leoa” foi, aliás, o que mais suscitou a curiosidade dos visitantes no dia da inauguração. Maria Bordalo Pinheiro foi a percursora na apresentação das “rendas de bilros com uma componente artística”, esclareceu a Maria de Aires Silveira. Soma-se o contributo para a valorização da identidade local e nacional, bem como para “colmatar, de certa forma, a invisibilidade do trabalho no feminino”, elucidou.

O Museu e Centro de Artes de Figueiró dos Vinhos foi inaugurado a 24 de junho de 2013 e recebe, sobretudo, grupos organizados que vêm de vários pontos do país, para visitar o Casulo do Malhoa, a casa do pintor José Malhoa nesta vila.

Florbela Caetano

 

 

Comments are closed.

Scroll To Top