Lamas, Miranda do Corvo: Romaria da Senhora do Pranto

 

13lamas

Foi no pretérito dia 10 de Abril que a população de Lamas em Miranda do Corvo fez saír às ruas da localidade mais uma vez a secular tradição, Romaria da Senhora do Pranto.
Para receber a bandeira e os devotos que no dia da romaria chegaram a pé de Dornes estava montado um lindo tapete de flores que começou a ser preparado pela população, cerca de uma semana antes.
Para além de toda a devoção que circunda esta romaria, o tapete de flores extenso e colorido foi sem duvida um dos pontos altos desta festa que trouxe a Lamas muitas centenas de visitantes oriundos um pouco de todo o país.

A lenda da Senhora do Pranto
A Senhora do Pranto começou há mais de 100 anos, com uma praga de gafanhotos que houve. O povo prometeu que se os bichos se fossem embora iam a Dornes à Senhora do Pranto. O pedido foi atendido, e todos os anos se faz Romaria.
Pelos Santos há um peditório para a festa de Senhora do Pranto. Leva-se uma bandeira que percorre as casa e as pessoas oferecem dinheiro ou milho. Na Pascoela faz-se a festa e na senana a seguir, na sexta-feira, a bandeira sai de Lamas as sete a manhã numa romaria a pé até Dornes (perto da Barragem do Castelo de Bode).
As pessoas vão sempre a andar parando apenas para comer. As pessoas antigamente dormiam em casas que se alugavam. Hoje a Casa Paroquial alberga as pessoas.
No domingo a romaria sai de Dornes às 5 horas da manhã com a bandeira e chegam a Lamas por volta das 6 horas da tarde.
Antigamente fazia-se um baile, as pessoas vinham cansadas, mas ainda dançavam.
Dizem que a Senhora do Pranto chora quando o povo se vem embora.

A entrada da Senhora do Pranto
Esta romaria consiste em levar a bandeira de Lamas a Dornes, realiza-se no segundo domingo a seguir da Páscoa.
Antigamente a bandeira era recebida por uma casal quando esta vinha de Dornes. Este casal distribuía flores por toda a gente que vinha à romaria.
Hoje em dia a romaria faz-se na mesma. A bandeira vai à sexta-feira para Dornes e regressa no domingo indo directa para a igreja. Esta romaria é muito antiga há um quadro na igreja comemorando das 100 anos.
Havia ainda uma tradição que caiu em desuso, quem fosse pela primeira vez a Dornes tinha que bater rabo uma pedra que lá há no adro da igreja!

Manuela Freire
com fotografia de Arlindo Simões

Comments are closed.

Scroll To Top