Festa de N. Sra. da Boa Viagem em Peralcovo, Campelo, Figueiró dos Vinhos

Realizaram-se nos passados dias 17 e 18 de agosto as festas de Peralcovo, em honra de Nossa Senhora da Boa Viagem.

Estas festas realizam-se pelo menos desde 1946, data de construção da capela da povoação, tendo sofrido uma longa interrupção, de 2000 e 2016. A edição deste ano de 2019 teve como mordomos Gracinda Martins, Hélder Martins e Rita Maria.

As festas iniciaram-se no sábado dia 17 às 15H00 com a abertura da quermesse e do bar, seguindo-se à noite a atuação do teclista e vocalista Fábio Bastinho.

No domingo dia 18 a quermesse e o bar abriram às 12H00, tendo sido celebrada missa às 14H00.

Às 15H00 foi realizada a procissão em honra de N. Sra. da Boa Viagem (foto de Luis Martins).

Seguiu-se às 19H00 o grupo “Sons da Casconha”.

Peralcovo é uma bela antiquíssima aldeia da freguesia de Campelo, da qual se conhecem referências escritas desde pelo menos 1657 (registo batismal de habitante). Mas as origens da aldeia são certamente muito mais antigas. Uma lenda atribui a sua fundação à princesa Peralta:

« (…) A origem desta povoação, ao certo, dada a falta de vestígios, não se sabe, mas não restam dúvidas de que é muito antiga e, se dermos crédito à Lena, o seu nome é principesco, teria sido fundada pela princesa de PERALTA filha do opolento rei vencido a quando de prolongadas lutas na região da Lousã.
Esta princesa ter-se-ia refugiado no local batizando-o com o seu próprio nome. Por este motivo e também devido aos acidentes do terreno, o sítio torna-se conhecido por COVO (cova grande, esconderijo) de PERALTA, designações que, aglutinando-se teriam dado PERALCOVO.

É, efectivamente, aceitável que assim teria acontecido. Esta povoação, de existência bastante remota, parecendo perdida desde há muito desejava ter um lar sagrado, a recordar o Creador nas serras que Ele semeara antes da subida aos Céus.

A construção de uma capela era uma ideia enraizada que num futuro mais ou menos próximo se converteria em realidade. Bastava a recordação que todos tinham da “TIA MARIA MOÇA” e dos seus santinhos para que essa ideia frutificasse, transmitida de geração em geração. Foi assim que chegou a nossos dias.

Então quem era a “TIA MARIA MOÇA”? Segundo diz a lenda, era uma pobre mulher, até certo ponto virtuosa.
Ela improvisara em sua casa, uma pequena CAPELA, que foi sem dúvida, o primeiro templo que existiu em Peralcovo. Diz-se até que os santinhos dela tinham muito valor; é verdade que lá acorriam numerosos crentes que faziam dádivas em cumprimentos de promessas.

Desta recordação parece ter nascido a capela que hoje lá se ostenta para onde foram os santinhos da “TIA MARIA MOÇA” e na qual se venera NOSSA SENHORA DA BOA VIAGEM. Todos os anos no último DOMINGO DE AGOSTO, acorrem a esta pequena povoação centenas de fiéis desta freguesia e arredores à festa da sua Padroeira.

“SANTA DA BOA VIAGEM”, OLHAI PELOS QUE SE VÃO: O PAI, O MARIDO, O FILHO, E MAIS O NOIVO E O IRMÃO»

(Texto inserido no verso do ícone/”santinho” dedicado a Nossa Senhora da Boa Viagem, a padroeira de Peralcovo – s/data)

No próximo ano de 2020 as festas serão realizadas a 22 e 23 de agosto. Os peralcovenses contam com a presença de todos!

Vítor Reis

Comments are closed.

Scroll To Top