As freguesias de Campelo e Bairradas vão ter melhor Internet

Das 480 freguesias abrangidas pelo concurso público no previsto pelo Regulamento n.º 560-A/2011, para a Atribuição de Direitos de Utilização de Frequências nas Faixas dos 450 MHz, 800 MHz, 900 MHz, 1800 MHz, 2,1 GHz e 2,6 GHz, para acesso à Internet a disponibilizar nas freguesias abrangidas pelas contrapartidas do leilão do 4G, foram beneficiadas no distrito de Leiria três freguesias, Almoster, concelho de Alvaiázere, Campelo e Bairradas no concelho de Figueiró dos Vinhos, com obrigações de cobertura de banda larga móvel.

Relativamente às freguesias de Campelo e Bairradas, com algumas dificuldades de aceder à Internet, o município de Figueiró dos Vinhos, foi informado, por oficio datado de 3 de Julho corrente, de um comunicado emitido pela ANACOM, cujo teor transcrevemos:

“A ANACOM procedeu, recentemente, à revisão da velocidade de acesso à Internet que a MEO, a NOS e a Vodafone terão que disponibilizar nas 480 freguesias com obrigações de cobertura de banda larga móvel decorrentes do Leilão 4G (um processo de atribuição de direitos de utilização de frequências em freguesias que tendencialmente se encontram sem cobertura de banda larga móvel e que são escolhidas mediante uma metodologia técnica específica).

Neste sentido, a NOS subirá, então, a velocidade de 4 Mbps para 21 Mbps, a Vodafone passará de 7,2 Mbps para 43,2 Mbps e a MEO manterá o valor de 43,2 Mbps.

No caso da NOS e da Vodafone, uma vez que o aumento de velocidade é considerável, e que isso implica um reajustamento de equipamentos de rede, a ANACOM fixou um prazo de três meses para que estas duas operadoras assegurem o cumprimento das suas obrigações de cobertura.

Fácil é concluir que os residentes e visitantes das Bairradas e de Campelo, as duas freguesias figueiroenses incluídas na Lista de Freguesias do Leilão 4G, terão assim acesso a um aumento da velocidade de banda móvel, equivalente às ofertas disponibilizadas a nível nacional, permitindo-lhes, entre outras, usufruir de todas as potencialidades de acesso a dados via telemóvel.”

 

NOTA DE REDAÇÃO:

Apesar do Regulador ter fixado aos participantes no leilão um prazo de três meses para reajustamento da velocidade recomendada, a NOS de 4 Mbps para 21 Mbps, a Vodafone de 7,2 Mbps para 43,2 Mbps e a MEO a manter o valor de 43,2 Mbps.

Há vários dias que temos vindo a verificar sempre no mesmo local se as correcções de velocidade impostas pela ANACOM aos operadores já haviam sido introduzidas, tendo-se dessa verificação através de telemóvel ocorridas sempre no mesmo local nas instalações da associação “O Penico” em Alge, concluímos no passado dia 18, pelas 18.24h., a “Vodafone, com retransmissor junto á subestação eléctrica do parque eólico de Vila Nova (Miranda do Corvo), nos dava a velocidade de 21,25 Mbps, no dia 19, pelas 19,23h., a velocidade de 15,07 Mbps, no dia 20, pelas 17,05h. a velocidade de 22.74, cinco minutos após esta medição isto é pelas 17,10h já nos deu a velocidade de 26.84, concluímos finalmente pelas constantes  oscilações de velocidade no nosso entendimento devido aos  fenómenos da propagação , sendo certo o prazo fixado para as correcções de velocidade  ainda a decorrer motivo tais oscilações poderem continuar a verificar-se até final do prazo para o aumento de velocidade ainda a decorrer..

Recordamos a “Vodafone”, (na altura) com apoio de presidente da junta de freguesia local, Ana Silva, iniciou o levantamento de um projecto com o objectivo de dotar toda a freguesia com cobertura Internet, tendo-se iniciado a instalação de retransmissores no edifício  sede da Junta de freguesia (Campelo) e Associação  Cultural e Recreativa “O Penico” em Alge, equipamento mais tarde desinstalado pela operadora.

Neste projecto, previsto o sinal provinha de um retransmissor a ser instalado nas instalações do emissor da rádio São Miguel em Malhadizes, freguesia de Espinhal, concelho de Penela, tendo para esse efeito ocorrido contactos com a firma proprietária do emissor, acabou por ser abandonado por se verificar daquele local não haver linha de vista coma povoação de Vilas de Pedro, onde estaria previsto a instalação de mais um retransmissor por esse motivo, todo o projecto em curso ficou suspenso.

Para colmatar essa falta de acesso á Internet na povoação de Alge, a Comissão de Compartes de Alge e lugares limítrofes (Ponte Fundeira, Pé de Janeiro, Carvalhos, Alge, Pé de Ingote, Searas e Ribeira Velha), com alguma marginalização dos habitantes das povoações integrados nesta “comissão de compartes” com os mesmos direitos “comunitários” mandou instalar em Alge um rudimentar receptor/emissor de sinal interligado a um operador Internet limitando o seu acesso através de uma palavra-chave individual disponibilizada aos habitantes de Alge.

Decorrido pouco tempo após a sua instalação, os possuidores da palavra passe para acesso á Internet, passaram a ser surpreendidos com prolongadas avarias criando-se algum desânimo entre essa mesma população, admitindo tratar-se de equipamento obsoleto não recomendado para uso “comunitário”, com algum desânimo concluindo esta aquisição nunca discutida e aprovada em “assembleia de compartes” por esse motivo, dado origem aos mais variados comentários dos quais por respeito à população de Alge não estamos interessados entrar.

Comments are closed.

Scroll To Top